CADEIAS MUSCULARES

CADEIAS MUSCULARES - Leo Busquet (Paris)

A fisioterapeuta Marlene Müller é pioneira nesta técnica em Porto Alegre, tendo realizado em 1997 a sua formação em Paris com o fisioterapeuta frances Leopold Busquet.

Definição do método

Dos músculos existentes em nosso corpo, 98% deles se encontram aos pares, mas não é sempre que eles atuam em conjunto, ou seja, simetricamente. Quando isso acontece, seja por uma hipotrofia, disfunção muscular ou por desuso ocorre uma mudança na biomecânica articular, podendo levar a lesões cartilaginosas (como a síndrome da hipertensão patelar), vícios posturais, escoliose, cifose, hiperlordose, genu valgo, varo, recurvatum e alterações na marcha. Consequentemente começamos a sentir dores na coluna, vertigem, dores de cabeça, problemas em outras articulações e até problemas respiratórios e viscerais. Sua dinâmica não é mais harmoniosa e as dores aparecem.

Preocupado com esta situação, o fisioterapeuta francês, Leopold Busquet criou um novo conceito em tratamento de lesões musculares e posturais. Esse novo método é conhecido como Cadeias Musculares que representam os circuitos de continuidade de direção em um plano através do qual se propagam as forças de organização do corpo.

Esse método divide a musculatura em vários grupos.

São eles:

- Cadeia estática posterior (CEP)
- Cadeia reta anterior direita e esquerda (CRA)
- Cadeia reta posterior direita e esquerda (CRP)
- Cadeia cruzada anterior direita e esquerda (CCA)
- Cadeia cruzada posterior direita e esquerda (CCP)


Objetivos do Tratamento

A finalidade do tratamento é liberar as cadeias musculares das tensões internas. Quando as cadeias musculares estão livres e equilibradas, os gestos estarão íntegros e fáceis.

O tratamento de cadeias musculars é um tratamento de remodelação das fáscias (redes de tecidos originado do tecido conjuntivo que envolve os músculos e dá sustentação e tonicidade ao corpo) para rearmonizar de forma eficaz e duradoura a sua mobilidade.

É uma técnica de terapia manual que trabalha analiticamente as cadeias musculares, viscerais e cranianas, para posteriormente integralizar o indivíduo numa postura global e harmônica.

O tratamento é personalizado, pois o paciente é único.


Indicações

- Indivíduos que apresentam má postura (crianças, adolescentes, adultos) e até mesmo na terceira idade, afim de prevenir ou atenuar as disfunções físicas e orgânicas, assim como os efeitos dos processos degenerativos, podendo ser usada também por pacientes com osteoporose, já que não é uma técnica agressiva e brusca.

- Deformidades da coluna vertebral (escoliose, cifose, lordose, etc) dos joelhos (geno valgo, varo) dos pés (calcâneo valgo), etc.

- Desequilíbrio crâneo-mandibulares.

- Dores articulares ou alterações no crescimento.

- Indivíduos que se sintam "encurtados", mesmo tendo atividade física regular.

- Em pessoas com dor decorrente de patologias da coluna vertebral do tipo artrose, espondilolistese, discartrose, hérnia discal, com sintomas como dor de cabeça, tonturas, vertigens e limitação funcional.

- Doença do reumatismo em que existam limitações do movimento, reduzindo a função.

- Em doenças respiratórias onde pela maneira incorreta de respirar apresenta alterações na caixa toráxica e má postura.

- Em atletas para melhor performance de seu aparelho locomotor.

- LER (lesões por esforço repetitivo) e DORT (distúrbios ósteo musculares relacionados ao trabalho).

- Em resumo, todos os casos em que houver mudança morfológica ou somente dor, alterando a função ou não buscando-se assim a forma original ou diminuindo os sintomas dolorosos, tentando chegar o mais próximo da normalidade.

A compreensão gerada pela análise global das cadeias musculares permite traçar um tratamento personalizado que responderá de maneira simples, global e coerente às dificuldades e às dores que são os sinais lógicos dos problemas de nossos pacientes.